[HQ] Lançamento de MetaMaus

A Pantheon Books comemora o 25º aniversário de Maus lançando o MetaMaus, material que mostra como a grande obra de Art Spiegelman foi produzida.

No MetaMaus, Art S. volta ao trabalho que lhe rendeu um  Pulitzer, que conta de uma forma totalmente diferente a história de um sobrevivente do holocausto: seu pai.
Ele aborda algumas questões que Maus gerou – tais como: por que o Holocausto? Por que camundongos? Por que feito em HQ? – E ainda disponibiliza informações sobre o processo criativo.

MetaMaus inclui um DVD bônus com a cópia digitalizada de “The Complete Maus” (não compre a versão brasileira, é uma bosta, vai na gringa mesmo que é delude) junto com um grande arquivo de áudio entrevistas com o seu pai que foi sobrevivente, documentos históricos e todo conteúdo pessoal de seus rascunhos e anotações.

MetaMaus saiu em 4 outubro e está disponível na Amazon.

BLZ, até aqui eu meio que traduzi/resumi o que achei escrito no Comics Cavern.

Comprei Maus no começo desse ano. Sempre tinha visto nas livrarias, mas só quando fui zoado por não ter lido nada em 28 anos tomei vergonha na cara e comprei logo a versão gringa, que é MUUUUUUITO melhor que a brasileira. Não tem comparação na qualidade do papel, capa dura, a tinta e tudo mais.

Fiquei muito surpreso quando comecei a ler e idiotamente surpreso quando acabei. Sério. Realmente essa obra foi merecedora de um Pulitzer.
O modo como Art retrata os judeus me fez lembrar o FODÁSTICO dialogo do Christoph Waltz como Col. Hans Landa no começo do Inglorious Bastard, sua visão sobre os judeus, que eram considerados ratos, mas não na forma perjorativa (aham, senta lá).
Se o Tarantino não usou isso de referência, não falo nada.

Mas voltando, a história é bem profunda e muito mais densa e psicológica do que a que somos bombardeados sempre por Hollywood (já ouviram falar do livro “A Indústria do Holocausto?” Deveriam!).
Não tenho muito o que falar mais sobre essa história além de que vai te prender do começo ao fim e vai te deixar pensativo a valer. Em certas partes vai ser um soco na boca de quebrar os dentes e fazer você parar de reclamar tanto por ser um filho único mimado criado pela avó em apartamento.

Esse MetaMaus já entrou na minha wishlist.

E vale a pena um Like na fanpage dele no facebook: facebook.com/ArtSpiegelman

Anúncios

Fan Film: Abertura de The Walking Dead

Este é um outro fan film feito, mas agora para a abertura do seriado. E esse vídeo ta tão bem feito que demorei pra sacar que era feito por fã. Só quando ví no perfil dele do vimeo que caiu a ficha.

O seriado estreia nos EUA em 31 de outubro, noite de Halloween (já fui lá nessa data e é bem louco), num domingo, com um episódio de 90 minutos, e na mesma semana será liberada para retransmissão pela Fox ao redor do mundo.a Fox.

Veja também:
Fan Film
The Walking Dead

Dica do @_villa

The Walking Dead

História de zumbi geralmente é puro clichê. Dá até raiva.

E foi com esse pensamento que comecei a ler The Walking Dead, que no Brasil é publicado pela HQ Maniacs Editora com o nome Os Mortos-Vivos, conta a história
de um policial que, após ser baleado durante uma abordagem, acorda do coma em
um hospital.

Em pouco tempo ele começa a perceber que tudo está uma zona e foge do local (que está vazio) e descobre que as pessoas estão comendo umas as outras. Nada fora do normal de TODO filme/história de zumbi até aqui.

Ele sai pelo mundo procurando sua família, e ai começa a historia, pois o foco não
são os zumbis, mas o dia-a-dia de quem teve a infelicidade de sobreviver, de como as pessoas se transformam quando a sociedade e seus valores desabam e voltam os instintos de sobrevivência (se no incidente do furacão Katrina tinha gente no
estádio que estava estuprando, imagina o que não seriam capazes de fazer num
mundo pós-apocaliptico?!).

Dilemas éticos, decisões tomadas em meio a tensão da ameaça diária a sobrevivência, crianças que perdem a inocência diante da necessidade de se proteger, organizações que se formam para se auto-ajudar e uma coisa que até aqui achei inusitada, em certa parte da história, Rick, o protagonista da HQ, é mutilado e perde a mão, e ai a história fica mais tensa.

É um numero melhor que o outro, vale acompanhar esta HQ, que é distribuída pela equipe do HQ Vertigem (e seus colaboradores) que continuam a fazer um trabalho maravilhoso (continuo recomenando o site:D ).

Download das HQ’s parte 1 que vai até o #38 e parte 2 que vai até o numero atual.

Estréia: O caderno da morte


Estréia em Sampa, de 9 de outubro a 23 de novembro a peça de teatro baseada no mangá Death Note.

Death Note (Desunöto デスノート, Death Note) é uma série de mangá escrita por Tsugumi Ohba e ilustrada por Takeshi Obata. Foi publicada pela revista semanal Shonen Jump, de Janeiro de 2004 a Maio de 2006, totalizando 108 capítulos compilados em 12 volumes. Death Note conta a história de Raito Yagami, um aluno exemplar que acaba encontrando um caderno que causa a morte à pessoa cujo nome for escrito nele.

A série foi adaptada em dois longa-metragens live-action pela Warner Bros japonesa, e contava a primeira saga do mangá. O primeiro filme foi lançado em 17 de Junho e o segundo em 3 de novembro de 2006 no Japão, existe um terceiro filme que se chama “L“, que foca na história de L no anime. Este é um spin-off da série.

De 3 de outubro de 2006 à 26 de Junho de 2007, foi ao ar no canal Nippon TV, a série de anime baseada no mangá, animada pelo estúdio Madhouse.

Também foi feita uma adaptação para uma light novel escrita por Ishin Nishio, com ilustrações de Takeshi Obata, intitulada DEATH NOTE Another Note Los Angeles BB Renzoku Satsujin Jiken lançada em 1 de Agosto de 2006 pela Shueisha.

No Brasil, a série de mangá foi publicada pela Editora JBC. O último dos doze volumes foi lançado em junho de 2008, e o especial “How to Read” (numerado como volume 13 na série), em agosto de 2008.

O Caderno da Morte – Death Note
De 9 de outubro a 23 de novembro
Quintas e sábados: 20h00
Sextas: 16h00 (a partir de 31/10) e 20h00
Domingos: 18h00

SESI Leopoldina
Rua Carlos Weber, 835 – Vila Leopoldina
São Paulo/ SP
(11) 3883-1093

Entrada gratuita